28.8 C
Campo Grande

O banho interior

- Publicidade -

Há situações que nos desanimam e nos levam para baixo. Uma conversa menos digna, um comentário maldoso, uma observação imprópria. Há indivíduos e indivíduos e muitos preferem à estagnação pessoal do que a mudança que oferece a constatação dos equívocos pessoais e das decisões passadas menos dignas. Mais do que progredir, eles preferem não dar o braço a torcer. Infelizmente o orgulho e a vaidade ferida representam, para muitos, pior castigo e prisão possível.

Para o discípulo de Jesus Cristo é essencial aprender a perdoar, a ter paciência e amar as pessoas e o trabalho que dignifica. Apesar de o mundo ser repleto de livre arbítrio, também é de responsabilidades e merecimentos. Cada decisão representa assumir a colheita futura, tal como mecanismo de constatação do progresso das ações humanas. Caso contrário, não haveria incentivos à maturidade e as escolhas levianas ou impensadas não gerariam resultados.

Escolhas e consequências são os mecanismos da lei da ação e reação que perpassa toda a existência humana. O ato de obrar é um apostolado por si só e cabe a cada um dignificá-lo de modo a pavimentar a sua avenida de ascensão. Mais do que aleatoriedades e acasos, a maturidade para saber de seu papel e responsabilidade em sua própria felicidade e progresso. Banhar-se interiormente com a fé e a esperança para suportar e superar as dificuldades exteriores significa mais do que meras aparências. Pelas lágrimas, pelo amor e pelo trabalho transmutamos a nossa carne para à luz de Deus.

Paulo Hayashi Jr. – Doutor em Administração. Professor e pesquisador da Unicamp.

Leia também

- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade -
- Publicidade-