17.8 C
Campo Grande

Pesquisa desenvolvida por universidade de MS será destaque em evento no Japão

- Publicidade -

É cada vez mais comum serem divulgadas informações sobre substâncias como corantes, medicamentos e agroquímicos encontrados em amostras de água de rios e lagos. Na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), um grupo de pesquisadores estuda formas sustentáveis de combater esse tipo de contaminação. No curso de Química da UFGD são desenvolvidos estudos que, em linhas gerais, buscam identificar nanopartículas capazes de reconhecer e eliminar substâncias tóxicas presentes no meio ambiente. O professor Willyam Roger Padilha Barros coordena essas pesquisas e, por isso, foi convidado a participar do comitê organizador do Fórum Internacional de Engenharia de Energia e Tecnologia de Energia (EEPTFORUM2023), que será realizado em Osaka, Japão, de 5 a 7 de junho de 2023.

Além de estar no comitê organizador do Fórum, Willyam foi convidado pela organização do EEPTFORUM2023 para ser um dos palestrantes do evento. Sua palestra, que será ministrada em inglês, terá o título “Nanostructured materials-based on bimetallic oxides applied in advanced oxidative processes and electrochemical sensors” (Materiais nanoestruturados à base de óxidos bimetálicos aplicados em processos oxidativos avançados e sensores eletroquímicos).

A pesquisa é bastante complexa, pois Willyam trabalha com nanopartículas, ou seja, substâncias tão pequenas que não podem ser observadas em microscópios comuns. Para ver uma nanopartícula, é necessário um equipamento de microscópio eletrônico, que aplica certo tipo de energia sobre a amostra, para que ela possa ser “vista”.

Mais especificamente, o professor Willyam pesquisa nanopartículas bimetálicas e híbridas que podem acelerar a redução do oxigênio gasoso, o que leva a produção de peróxido de hidrogênio, o H2O2. Se você não está lembrando da aula de química, aqui vai uma ajuda: a água oxigenada, usada para limpar ferimentos, é uma solução de água com 3 a 9% de peróxido de hidrogênio. No seu machucado, a água oxigenada é usada para oxidar (ou seja, degradar, eliminar) as bactérias. Na pesquisa do professor Willyam, o peróxido de hidrogênio, juntamente com os nanomateriais, são aplicados na degradação de substâncias que contaminam o meio ambiente, como corantes, fármacos, pesticidas, entre outros.

Mas, afinal, porque o professor da área da Química foi convidado a palestrar em um evento de Engenharia de Energia? Basicamente, a degradação de substâncias contaminantes acontece como resultado de um processo chamado fotólise, no qual se usa a luz do sol ou uma luz artificial para acelerar a transformação de uma substância. Lógico, a luz solar é uma energia renovável e sustentável. Mas existem situações em que não dá pra usar a energia do sol. Aí, entra a pesquisa do professor Willyam, que se mostra uma alternativa ambientalmente sustentável para promover a degradação das substâncias contaminantes. “Além da opção de promover a fotólise usando energia solar, a degradação também pode ser realizada pela geração in situ do H2O2. Por isso, a gente desenvolve eletrodos de carbono que são capazes de produzir o H2O2, de forma ambientalmente correta”, explica.

Ainda segundo Willyam, na palestra que ele fará no Japão, será apresentada outra frente de pesquisa, que é a produção de eletrodos impressos de carbono em diversos suportes (papel, PVC, PET, fita isolante, gelatina). “Esses sensores eletroquímicos servem para detectar e quantificar diversos tipos de substâncias, como hormônios, cafeína e seus derivados e antioxidantes em diferentes tipos de amostras (saliva, urina, secreção nasal, água, alimentos, frutas)”, resume o pesquisador.

EVENTO

O Fórum Internacional de Engenharia de Energia e Tecnologia de Energia (EEPTFORUM2023), tem como objetivo destacar novos desenvolvimentos, compartilhar ideias, resultados de pesquisa e fornecer oportunidades de networking para que cientistas em início de carreira possam criar e fortalecer conexões com diversos pesquisadores.

Além disso, o fórum busca reunir acadêmicos, profissionais, líderes da indústria, formuladores de políticas e profissionais de negócios que sejam líderes mundiais das áreas de Engenharia de Energia e Tecnologia de Energia, a fim de desenvolver soluções práticas para os desafios atuais nesses campos. A programação abrange palestras, sessões especiais, pôsteres, workshops e artigos. Para submissão de trabalhos, inscrição como participante e demais informações, acesse o site do evento: https://www.continuumforums.com/2023/eeptforum.

Fonte: Jornalismo ACS/UFGD

Leia também

- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade -
- Publicidade-