27.5 C
Campo Grande

Não vacile e siga as ‘Regras do Rolê’ no Carnaval: se pintar um clima, use camisinha

- Publicidade -

Em meio a confetes e serpentinas, é chegada a época da folia. O Carnaval traz com ele muita alegria, dança, ‘azaração’, beijo na boca e algo a mais pode rolar no calor do momento. Por isso, a Unidos do MS vem para lembrar os foliões que a proteção faz parte da festa.

E as ações de prevenção às IST’s (Infecções Sexualmente Transmissíveis) durante o Carnaval são essenciais para a diminuição dos números de casos de infecção por HIV, Sífilis e Hepatites virais contraídos por meio do contato sexual – oral, vaginal, anal – sem o uso de camisinha externa ou interna, com uma pessoa que esteja infectada.

Para garantir a prevenção entre os foliões, o Governo do Estado, por meio da SES (Secretaria de Estado de Saúde) enviou a todas as unidades de saúde dos municípios, exceto Campo Grande, pois a Capital recebe os preservativos diretamente do Ministério da Saúde, 475.200 preservativos externo 52 mm, 6.200 preservativos interno, 79.400 unidades de gel lubrificante e testes rápidos, sendo 25.000 para HIV, 23.300 para Sífilis, 20.900 para Hepatite B e 27.325 testes para Hepatite C.

A gerente de IST, HIV/Aids e Hepatites Virais da SES, Alessandra Salvatori, explica que é importante não se descuidar da prevenção, utilizar preservativo em todas as relações sexuais e fazer a testagem para as IST´s – Hepatite B, Hepatite C, HIV e Sífilis.

“No período de Carnaval as pessoas, geralmente, têm maior descontração ou por vezes abusam de álcool, então não podem esquecer da prevenção com as IST´s. O Governo do Estado distribuiu aos municípios um quantitativo de preservativos internos, externos, gel lubrificante e também testagem rápida”.

Já para a prevenção específica do HIV, existem estratégias de prevenção combinada: a PEP (Profilaxia Pós-Exposição) e a PrEP (Profilaxia Pré-Exposição).

“E se caso aconteça uma relação desprotegida, não esqueça que para o HIV temos a PEP (Profilaxia Pós-Exposição) que pode ser utilizada até 72 horas após o contato sexual. No HIV avançamos muito em termos de prevenção, hoje temos profilaxias medicamentosas, o que não temos para as outras IST´s. Os jovens não têm mais aquele medo que se tinha há 20 anos atrás de você contrair o HIV. Então eu acho sim que o medo diminuiu, o uso do preservativo diminuiu e precisamos estar sempre reforçando que, se você quer evitar uma Gonorreia, uma Sífilis que é muito incidente, um Herpes Genital, você precisa usar o preservativo. Não existe outra maneira de prevenção dessas IST´s”, esclarece Salvatori.

O presidente do CES/MS (Conselho Estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul), Ricardo Bueno, também entende que a falta do medo faz com que os jovens deixem de usar o preservativo. “Parece que hoje, em meio a essa juventude, eles não têm mais medo de pegar uma IST, esse medo está acabando. É necessário prevenir, os postos de saúde estão aí, tem camisinha e podemos nos prevenir para não termos algo pior na nossa vida”.

Para a presidente do Cosems/MS (Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Mato Grosso do Sul), Josiane Oliveira Corrêa, um alerta importante é para as pessoas que vão pular Carnaval. “Cuide da sua saúde e não deixe de usar o preservativo. Eles são distribuídos na rede pública então é muito importante que você que vai festejar, que vai curtir, cuide-se. O uso do preservativo impede a transmissão de diversas IST´s. Divirta-se, mas sem esquecer de se cuidar. Previna-se”, reforçou.

Os preservativos podem ser retirados em qualquer unidade de saúde, sem restrição de quantidade e sem a necessidade de identificação, disponibilizados de forma gratuita pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Proteja-se, mantenha os cuidados de higiene e caso apareça qualquer lesão e que te deixou na dúvida, procure atendimento médico.

“Bota a camisinha pra se proteger”!

Não vacile e siga as ‘Regras do Rolê’ no Carnaval: se pintar um clima, use camisinha

 Kamilla Ratier, Comunicação SES

Leia também

- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade -
- Publicidade-